quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Centro Integral de Saúde da Mulher /DF

Nesta tarde de 02 de setembro de 2015 no Espaço Garcia Neto ás 15h. Ocorreu a primeira reunião do MOPS/DF, Rede Brasil Mulher , Conselhos Regionais de Saúde e SES/DF   A coordenadora da Rede Brasil  e também  presidente do Conselho Regional  de Saúde do N. Bandeirante,Maura fez uma breve exposição do projeto, lembrando que o Centro Integral  trará resolutividade e evitará a desassistência  no atendimento de patologias ligadas diretamente ao gênero feminino. A proposta  é a construção de 07 centros de referência para mulher, 01 em cada região de Saúde do DF, com foco na prevenção, assistência baseada em melhor evidência, agendamento personalizado, equipe multidisciplinar e encaminhamento com monitoramento. A secretária adjunta Dra Eliene Berg se diz seduzida pela proposta e prometeu que ira buscar a nossa primeira dama  para madrinha do projeto. Estiveram conosco: Denise Bastos representante de Santa Maria que fez fala lembrando a mulher trabalhadora que precisa de cuidado, o senhor Enoquio representante do Gama que ouviu com muito cuidado para repassar as representantes do gama, Shirley Couto  do Cruzeiro, lembrou que o racismo acresce a violência doméstica  contra mulheres negras. Vanda representante  da Pastoral da Saúde do N. Bandeirante , Riacho Fundo I e II, citou a dificuldade de exames de rotina e afirmou que pagou o exames  por falta reagentes  na rede pública, Viviane conselheira de São Sebastião,se disponibilizou para contribuir com o projeto e lembrou da falta de continuidade de serviços e que a mulher está desassistida.Rejane de Ceilândia lembrou a questão da auto estima e que mulheres vitima de violência precisa de uma assistência direcionada. Eva representante do MST, solicitou apoio para referência de atendimento da Atenção Primária para a população dos acampamentos e Sandra também do MST, solicitou atendimento para etilismo e drogradição e formação em fitoterápicos. A secretária prometeu visita-las breve. Representantes do Park Way, candangolândia foram unanimes em reafirmar que estarão a disposição para fazer o necessário para que o Centro de Atendimento torne realidade, Danúzia do Riacho Fundo I trouxe a questão da saúde mental que esperamos inserir no atendimento a mulher. Carmelinda de Planaltina afirma que apesar de terem centro de Saúde não consegue ser atendida que os resultados de exames demora acima de 07 meses para receber os resultados. Carmem de Taguatinga, lembrou que o Centro dará cidadânia porque a mulher que trabalha não tem como se cuidar .Ressaltou a questão dos horários. Por fim pactuamos um GT que entregará até o fim de setembro uma minuta do projeto para  os técnicos da SES/DF e para primeira dama. Vamos juntos!