sexta-feira, 24 de julho de 2015

Profissionais do "Posto da Metro" Solicita Apoio ao Conselho Regional de Saúde para Manter Atendimento a População

O Conselho Regional de saúde do Núcleo Bandeirante reuniu-se com os profissionais da Estratégia da saúde da família nesta quinta feira as 10 h  na Metropolitana. A estrutura precisa de cuidados e de se interligar ao sistema, não dispõe de rede de internet e o auditório para reuniões esta ocupado pelo Núcleo de Internação Domiciliar, todas as demandas foram encaminhadas em documento para a diretora administrativa, nos informou a equipe. Tentamos conversar mas os profissionais NIRAD, a enfermeira que nos atendeu, informou que não estava autorizada a falar sobre o assunto, somente a chefe do setor poderia nos dar maiores detelhes. Ficamos de retornar e fazermos uma reunião em separado, o serviço é de excelência e merece todo apoio. A equipe do posto nos surpreendeu pela disposição, Enf. Marta e sua equipe querem trabalhar e solicitou apoio quanto a não retirar o profissional da ginecologia, que atende nas terças, quartas e quintas feiras, ela afirma que a demanda é significativa e o profissional quer manter o atendimento, a conselheira  representante dos usuários  do bairro,prometeu fazer abaixo assinado para manter o médico e o atendimento. A equipe nos informou   que precisa  trazer outra equipe de ESF, para atender a comunidade da  quadra 13 do park Way, que sempre foi atendida na Metro.População essa em situação de vulnerabilidade social, que por ordem da nova gestão da  Regional de Saúde proibiu o atendimento na Metropolitana que é ao lado e o transferiu para o N. Bandeirante um martírio que acresce pela distância e pelo número de vagas. A nova chefe da regulação Sra. Kátia, segundo os usuários que ouvimos, trata com rigor a marcação de consulta, quem não tem como comprovar o endereço, não é atendido no centro de Saúde n.02 do Núcleo Bandeirante. Os servidores do posto da metro sensibilizados pedem pelos moradores e querem voltar a atende-los, a equipe teme pela desassistência, daquela população, tendo em vista, que nem todos consegue atender os requisitos imposto pela nova chefe da marcação de consulta,ter um comprovante de endereço em seu nome.  As conselheiras  que trabalham no centro Filomena e Margareth ressalta que o atendimento melhorou porque as especialidades como endócrino urologia , ortopedia, psiquiatria , cardiologia,  que tem menor número de vagas para  marcação, com a proibição de atender quem não é morador do Núcleo Bandeirante, diminuiu  a procura e consequentemente o tumulto, já que Brasilia inteira vinha em busca do atendimento. Margareth informou que a regulação de vagas e a proibição de pessoas de outras cidades serem atendidas no Centro de Saúde esta em uma "lei chamda regionalização". O gargalo são trabalhadores e patrões que por ter profissionais que atuam  a anos em suas residências e empresas na cidade,agora não são atendidos por não ter como comprovar endereço. Parabéns a equipe de ESF da  Metropolitana e esperamos que consigam,  Tamos juntos.